Defendemos


Economia

  • Pequenos negócios privados

  • Cooperativas

  • Nacionalização das indústrias de interesse público

Ambiente

  • Reconhecimento do valor intrinseco da natureza

  • Regenaração dos recursos renováveis

  • Protecção dos recursos não-renováveis

Comunidade

  • Liderança ética

  • Tomada de decisão descentralizada

  • Uma sociedade humana


Envolve-te


Siga-nos nestas plataformas

Facebook
Twitter

 

Facebook

EDEA ... See MoreSee Less

View on Facebook

Temos muito a aprender com a experiência americana, para que os seus erros não se tornem os nossos.After Donald Trump's loss in this election, what do we have to learn from this four-year experiment in populism?

prout.info/blog/2020/11/24/the-lessons-of-trumpism/
... See MoreSee Less

View on Facebook

Mais um Econtro de Democracia Económica em Acção! Soluções económicas para problemas actuais. Agora online 🙂 ... See MoreSee Less

View on Facebook

Notícias e artigos


Economia planeada vs Economia de mercado


“O capitalismo falhou” é uma frase frequentemente pronunciada nos dias de hoje. Activistas, movimentos populares, e intelectuais declaram como os fracassos do capitalismo são óbvios e flagrantes. Por outro lado, os pensadores mais conservadores lembram-nos dos fracassos da experiência comunista no leste, na tentativa de concluir que o capitalismo é o único sistema viável de administrar o sistema económico. Prout oferece uma nova perspectiva. Considera que, a menos que tenhamos uma economia baseada na produção local, atendendo de forma sustentável às necessidades das pessoas, nunca seremos capazes de lutar contra as catástrofes ambientais e sociais que se avizinham.

Prout é essencialmente uma economia de mercado. Acredita que a liberdade de iniciativa é uma das principais forças motrizes de um mercado dinâmico, o que contribui para uma abundância de produtos variados e de alta qualidade. No entanto, reconhecemos os perigos eminentes de um mercado impulsionado pelo interesse próprio e pela ganância. Por esse motivo, num sistema proutista, há um forte papel dado à regulamentação. Entendemos que cada comunidade conhece as suas necessidades, potenciais e fraquezas melhor do que um governo central. Por esse motivo, Prout promove a democracia económica: um sistema económico descentralizado, em que os meios de produção são devolvidos à população por meio da instauração de cooperativas, de propriedade dos trabalhadores, que forneceriam os meios para definir o plano para o desenvolvimento da região.


Neohumanismo

Valores com Futuro


O Neohumanismo é uma visão integrante do mundo que defende a existência harmoniosa entre os seres humanos, a vida animal e vegetal, e todo o meio ambiente. Pode definir-se como uma ecologia espiritual baseada no respeito e na apreciação do valor existencial de todos os seres do Universo. Por norma, as filosofias baseadas na supremacia do Ser Humano tem uma visão utilitária dos restantes seres vivos e do meio ambiente. Muitas vezes, isto leva ao abuso e ao desequilíbrio do mundo natural, pois tendemos a reservar-nos o direito de por e dispor como bem entendemos de tudo o que consideramos “útil” para os nossos interesses egoístas, enquanto destruímos ou negligenciamos o que se torna “inútil” para os nossos objetivos. O Neohumanismo defende que tudo neste Universo tem um valor intrínseco pelo simples facto de existir.

A queda do sistema capitalista


A ONU ALERTA PARA O COLAPSO GLOBAL: COMO O PODEMOS PREVENIR?


Num relatório recente, a ONU alerta-nos com um aviso severo: o sistema capitalista global está à beira do colapso.

São as implicações de um novo artigo científico preparado por um grupo de biofísicos finlandeses. Solicitou-se à equipa da Unidade de Pesquisa BIOS da Finlândia que fornecesse pesquisas que contribuíssem para a elaboração do Relatório Global de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (GSDR).

O documento da BIOS sugere que grande parte da volatilidade política e económica que vimos nos últimos anos tem como causa principal a crise ambiental global. “Vivemos numa era de turbulência e profundas mudanças nos fundamentos energéticos e materiais das economias. A era da energia barata está a chegar ao fim ”, escrevem os autores do artigo. “Enfrentamos uma forma de capitalismo que cristalizou o seu foco na maximização do lucro a curto prazo com pouco ou nenhum interesse aparente no bem social”.

Este relatório chega num momento importante para a humanidade, numa época em que os próprios fundamentos do nosso sistema económico são questionados.Mas qual é a razão pela qual o capitalismo nos levou à beira do colapso global? Mais importante, o que a ONU sugere como alternativa ao capitalismo?

As dádivas e os fracassos dos Verdes

Uma das principais dádivas do movimento ambientalista foi mostrar-nos algumas das falhas fundamentais do capitalismo. Por exemplo, que a verdadeira riqueza tem pouco a ver com lucro e mais com o bem-estar geral das pessoas. Os verdes também conseguiram apresentar uma nova visão macroeconómica em que a sustentabilidade é mais importante que o crescimento, onde o consumo para necessidades reais e não para o consumismo irracional orienta o planeamento económico e, mais importante, enfatizaram a necessidade de estabelecer limites ambientais e de recursos para a atividade económica .

O que os verdes ignoraram, no entanto, é o próprio fundamento do capitalismo e seu poder – o motivo de lucro sedutor e sinistro, o impulso de crescimento estruturalmente incorporado no capitalismo, que sempre superará todas as outras visões e necessidades, a menos que reestruturemos o cenário macroeconômico do próprio sistema. E como o movimento Verde ignorou essa questão, certamente foi ignorado pelos economistas tradicionais e pelos partidos políticos. É por essa mesma razão que estamos nessa situação terrível: à beira de um desastre global causado pelo homem.

Calcanhar de Aquiles do capitalismo: o motivo do lucro

“O aspecto mais importante do capitalismo, sua função e objectivo, é maximizar o lucro”, diz o economista Jaroslav Vanek, da Universidade de Cornell.1 Por esse motivo, as empresas capitalistas não gostam de regulamentações ambientais; eles não gostam de ser instruídos a adicionar custos ambientais à equação do lucro. Eles vão lutar contra essa possibilidade a cada passo. É por nenhuma outra razão que a lavagem ecológica – quando as empresas gastam mais dinheiro ou tempo anunciando que são ecológicas do que realmente sendo ecológicas – é tão comum.

É também por isso que uma economia capitalista não regulamentada e uma economia democrática e sustentável são incompatíveis. E é por isso que o próprio fundamento do capitalismo – a motivação do lucro – também levará à sua queda.


adminHome