A ONU alerta para o colapso global: Como o podemos previnir?

Num relatório recente, a ONU alerta-nos com um aviso severo: o sistema capitalista global está à beira do colapso. São as implicações de um novo artigo científico preparado por um grupo de biofísicos finlandeses. Solicitou-se à equipa da Unidade de Pesquisa BIOS da Finlândia que fornecesse pesquisas que contribuíssem para a elaboração do Relatório Global de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (GSDR).

O documento da BIOS sugere que grande parte da volatilidade política e económica que vimos nos últimos anos tem como causa principal a crise ambiental global. “Vivemos numa era de turbulência e profundas mudanças nos fundamentos energéticos e materiais das economias. A era da energia barata está a chegar ao fim ”, escrevem os autores do artigo. “Enfrentamos uma forma de capitalismo que cristalizou o seu foco na maximização do lucro a curto prazo com pouco ou nenhum interesse aparente no bem social”.

Este relatório chega num momento importante para a humanidade, numa época em que os próprios fundamentos do nosso sistema económico são questionados. Mas qual é a razão pela qual o capitalismo nos levou à beira do colapso global? Mais importante, o que a ONU sugere como alternativa ao capitalismo?

As dádivas e os fracassos dos Verdes

Uma das principais dádivas do movimento ambientalista foi mostrar-nos algumas das falhas fundamentais do capitalismo. Por exemplo, que a verdadeira riqueza tem pouco a ver com lucro e mais com o bem-estar geral das pessoas. Os verdes também conseguiram apresentar uma nova visão macroeconómica em que a sustentabilidade é mais importante que o crescimento, onde o consumo para necessidades reais e não para o consumismo irracional orienta o planeamento económico e, mais importante, enfatizaram a necessidade de estabelecer limites ambientais e de recursos para a atividade económica .

O que os verdes ignoraram, no entanto, é o próprio fundamento do capitalismo e seu poder – o motivo de lucro sedutor e sinistro, o impulso de crescimento estruturalmente incorporado no capitalismo, que sempre superará todas as outras visões e necessidades, a menos que reestruturemos o cenário macroeconômico do próprio sistema. E como o movimento Verde ignorou essa questão, certamente foi ignorado pelos economistas tradicionais e pelos partidos políticos. É por essa mesma razão que estamos nessa situação terrível: à beira de um desastre global causado pelo homem.

Calcanhar de Aquiles do capitalismo: o motivo do lucro

“O aspecto mais importante do capitalismo, sua função e objectivo, é maximizar o lucro”, diz o economista Jaroslav Vanek, da Universidade de Cornell.1 Por esse motivo, as empresas capitalistas não gostam de regulamentações ambientais; eles não gostam de ser instruídos a adicionar custos ambientais à equação do lucro. Eles vão lutar contra essa possibilidade a cada passo. É por nenhuma outra razão que a lavagem ecológica – quando as empresas gastam mais dinheiro ou tempo anunciando que são ecológicas do que realmente sendo ecológicas – é tão comum. É também por isso que uma economia capitalista não regulamentada e uma economia democrática e sustentável são incompatíveis. E é por isso que o próprio fundamento do capitalismo – a motivação do lucro – também levará à sua queda. 

Hora de mudança de sistemas

Com esta iminente crise global no horizonte, temos duas opções: podemos, como fazemos hoje, conduzir mudanças incrementais através das escolhas dos consumidores e de legislação lenta. O resultado desse tipo de política lembra o Titanic; uma colisão com os icebergs e o afundamento do navio global.

A nossa única opção agora é fazer mudanças fundamentais; facilitar uma mudança democrática mas revolucionária na economia. O objetivo desta nova economia não seria maximizar o lucro, mas maximizar o bem-estar das pessoas e do meio ambiente através de uma melhor participação e planeamento.

Precisamos de reestruturar toda a economia, caso contrário a antiga visão económica continuará a ser o impulsinador da economia. Continuaremos a encarar a natureza como algo a usar livremente e um buraco onde podemos despejar o nosso lixo. Mas retórica à parte, qual é o principal problema da velha economia? É o tamanho e o objectivo do mercado capitalista, o objectivo de crescer e concentrar riqueza e comprometer as preocupações humanas e ambientais. Esta questão fundamental – de que é insuficiente simplesmente reformar o mercado capitalista – não foi abordada de maneira convincente nem pela esquerda nem pelos partidos verdes, nem pela esquerda nem pelo movimento ambiental em geral.

Além do capitalismo verde

É um eufemismo dizer que a nossa economia depende da natureza para sobreviver e crescer continuamente – a economia faz parte de um ecosistema composto por natureza e humanidade e só pode prosperar se a natureza e a humanidade prosperarem. Como seres humanos, prosperamos melhor quando vivemos em harmonia com a natureza e a cultura humana se manifesta em expressar sua reverência pela natureza. Mas se essas qualidades estão ausentes na sociedade, os humanos sofrem outra forma de pobreza – a pobreza espiritual. Com as políticas económicas e ambientais corretas, é possível criar uma economia que continua a existir e prosperar, tanto cultural quanto economicamente, co-evoluindo com a própria natureza, perpectuamente. Essa economia será descentralizada, reestruturada, democrática, culturalmente rica e circular. Aqui está, resumidamente, um conjunto de recomendações abrangentes que podem formar a base de uma economia verde mais democrática, equitativa e sustentável:

Sugestões de políticas para evitar o colapso global

Políticas

  • Trocar o objectivo de lucro pela democracia económica e a responsabilidade social e ambiental
  • Governos que incentivam o desenvolvimento de mercados industriais e agrícolas locais – isso também manterá a concorrência no mercado, mas de baixo para cima, que é uma chave importante para a democracia económica , para melhores salários, para um melhor ambiente local e global 
  • Criar um imposto global efetivo sobre o carbono para reduzir as emissões globais de CO2 – hoje os países individuais têm esses impostos, mas empresas fazem lobby para interrompê-los ou reduzi-los; isso não deve ser permitido. 
  • Repensar a economia dos combustíveis fósseis e invistir numa economia livre de combustíveis fósseis para o futuro
  • Avançar para tecnologias de emissão zero.
  • Aumentar a pesquisa e o desenvolvimento de produtos ecológicos
  • Adotar políticas económicas baseadas na ética e sustentabilidade, e não em lucro
  • Educar e promover o desenvolvimento da comunidade para conter o consumismo, promovendo melhores estilos de vida e fontes não materiais de felicidade. Estudos demonstraram que, uma vez que as pessoas têm um certo nível de vida, o aumento do consumo diminui a felicidade das pessoas.
  • Promulgar legislação de curto e longo prazo para tornar todas as práticas agrícolas orgânicas dentro de 10 a 20 anos
  • Reduzir subsídios à agricultura para que os preços reflitam o custo real e, assim, criar uma agricultura localizada com base nas necessidades reais do consumidor
  • Reduzir a produção de carne para sustentabilidade e saúde – a produção de carne, a menos que seja “free range”, é o método agrícola mais ambientalmente hostil, e seu consumo excessivo provou ser a principal causa de doenças cardíacas, cancro e diabetes
  • Educar a nível nacional sobre a importância de uma dieta mais baseada em vegetais, de acordo com a mais recente ciência em nutrição e saúde
  • Aumentar a produção, processamento de alimentos e distribuição de frutas, vegetais, ervas, óleos vegetais e grãos para obter a máxima soberania local, regional e nacional

A principal razão pela qual houve pouco progresso na implementação do tipo de políticas ambientais descritas acima não é porque não temos soluções, é simplesmente porque não há consenso global sobre qual é o problema – os resultados do capitalismo, direcionados  ao lucro são fundamentalmente incompatíveis com uma economia sustentável. Portanto, a fim de evitar danos irreparáveis ​​ao ecossistema, causados ​​pelo aquecimento global, e evitar instabilidade política e pobreza generalizada devido ao esgotamento de recursos, precisamos não apenas de mais reformas, mas também de mudanças nos sistemas económicos. Simplesmente não há outra alternativa.  

1 Jaroslav Vanek, entrevista publicada pela primeira vez no Prout Journal , depois republicada na New Renaissance Magazine , consulte: http://www.ru.org/51cooper.html   

Artigo cortesia de Prout Global.

Maheshvara PachecoA ONU alerta para o colapso global: Como o podemos previnir?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *