September 2020

Vamos parar o jogo da especulação financeira?

Envio o link do podcast com o economista Ricardo Paes Mamede, sobre as causas e as consequências da crise de 1929, nas esferas económicas, políticas e sociais, comparando com a situação actual.

https://www.esquerda.net/audio/grande-depressao-de-1929
Nada como observar e estudar factos do passado e tentar compreendê-los, para ajudar a tomar decisões racionais (racionalidade no contexto neo humanista) para os desafios actuais.

O que se aprendeu  do ponto vista económico com a crise de 1929?
A necessidade de controlar o sistema financeiro, porque se não o dinheiro servirá para especulação financeira. Assim, as pessoas compram coisas na esperança de as vender por um preço mais alto e ficar com os lucros, sem adicionar valor à economia real. Como é exemplo o sector imobiliário, onde o preço das casas sobem porque há “investidores”, tornando-se um bem não acessível à maioria das famílias (exemplo centro histórico das grandes cidades portuguesas).

Como no Imobiliário, o dinheiro é usado para todo tipo de especulação, ações na bolsa de valores, compra de dívida soberana, mercado de futuros de mercadorias, etc, A história acaba sempre da mesma forma, as bolhas rebentam e os chamados “activos desvalorizam”…Quem adquiriu em último lugar esse bem, perde dinheiro.
https://executivedigest.sapo.pt/das-tulipas-ao-subprime/
Está na altura de parar de jogar este jogo, pois os custos sociais são elevados…Contração económica, desemprego, aumento do nível de pobreza, etc.

Em Prout é importante o conceito de desenvolvimento socioeconómico de regiões em primeiro lugar, antes de qualquer integração económica e monetária (ao contrário do que se fez com o Euro). Produzir com os recursos locais, geridos democraticamente, para as necessidades  dos habitantes. O custo da especulação deixa de existir, os recursos (incluindo os financeiros) estão amarrados à economia real. Nesse sentido o PRIP está a desenvolver um estudo de Block Level Planning para a região da Cova da Beira (Belmonte, Covilhã e Fundão), para identificar potencialidades, estrangulamentos económicos e apresentar soluções para o desenvolvimento específico desta região, de forma a sensibilizar os decisores políticos, outros agentes locais e todos os habitantes.

Ps – Há cerca de cem anos atrás a humanidade enfrentou uma pandemia e uma depressão económica profunda, com impactos persistentes durante os anos 30, culminando na devastadora II Guerra Mundial. Pelos vistos estamos a seguir o mesmo guião, com a agravante da crise ambiental…Esperemos que haja mais clarividência para não trilhamos os mesmos caminhos dolorosos…

Francisco Dinis

Maheshvara PachecoVamos parar o jogo da especulação financeira?
read more

Usando o poder colectivo para quê?

Um vídeo do Dr Richard Wolf, sobre três formas de socialismo:

1. Socialismo Democrático – O socialismo democrático usa o Estado, um conjunto de leis e de regulamentos, procurando evitar os excessos do sistema capitalista, protegendo os  trabalhadores, o ambiente, as comunidades, etc. A maior parte dos países da europa ocidental tem ou teve partidos políticos defensores deste sistema nos seus governos.

2. Comunismo – Onde o Estado interfere diretamente no sistema económico. Caso da Antiga União Soviética e da actual República Popular da China.

3. Socialização no local de trabalho – Fica um video explanatório

Outra forma de socialismo é a que assistimos na última década, onde o Estado é usado para salvar financeiramente grandes entidades privadas (por exemplo Bancos). É o socialismo para os super ricos não sendo assim um socialismo ideológico mas de conveniência pura.

As grandes empresas privadas estão focadas na maximização de lucros a curto prazo, que beneficiarão um pequeno número de acionistas.
Ao contrário, é expectável que nas empresas onde os trabalhadores têm voz outras prioridades surjam: Emprego estável de longa duração, boas condições de trabalho, cuidado com o meio ambiente onde vivem e com a comunidade envolvente.
Prout advoga um sistema cooperativo para bens essenciais e/ou quando a empresa atinge uma determinada dimensão.

Deixo estatísticas sobre o movimento Cooperativo a nível mundial…

https://www.un.org/esa/socdev/documents/2014/coopsegm/grace.pdf

Na região da Beira Interior o PRIP está a realizar esforços para a criação de uma cooperativa no sector da agricultura biológica.

Francisco Dinis

Maheshvara PachecoUsando o poder colectivo para quê?
read more